Prefeitura corta orçamento da Assistência Social: O que você tem a ver com isso?
Prefeitura corta orçamento da Assistência Social: O que você tem a ver com isso?

Desde que assumiram a Prefeitura de São Paulo, João Doria e Bruno Covas (PSDB) lideram um desumano desmonte dos serviços públicos e uma das pastas mais atacadas é a da Assistência Social.  Somente em 2019 foram cortados da Assistência Social mais de R$ 200 milhões.

Covas destrói Assistência Social em São Paulo

Alcançadas com muita resistência e luta, as políticas realizadas pela Assistência Social são fundamentais para a cidade e atendem , sobretudo, a população mais pobre de São Paulo. Essas políticas estão consolidadas no Sistema Único de Assistência Social (SUAS), cujos programas têm como proposta a promoção da inclusão social e a emancipação da cidadania de setores excluídos da sociedade.

Na porta da Prefeitura, Celso Giannazi repudia cortes na Assistência Social.

Sob o discurso da “reestruturação”, a pasta virou um dos principais alvos dos cortes da gestão Doria/Covas e a consequência foi o fim de serviços que prejudicam principalmente a população mais vulnerável. Uma ação que viola direitos e o marco legal vigente.

Servidores lutam contra os cortes da Assistência Social

O desmonte é brutal. Além dos cortes, a Prefeitura de são Paulo, desde 2016, vem desidratando o orçamento da pasta. Acompanhe os dados levantados a partir do Portal da Transparência:

Os dados comprovam o projeto de desmonte da gestão Doria/Covas.

“E quem perde com essa política de sucateamento é a população. Vagas em serviços como os dos Centros de Crianças e Adolescentes (CCAs), Centros de Juventude e Centros de Defesa da Criança e Adolescente (Cedecas),  Albergues, os Núcleos de Convivência de Idosos (NCI) e os Centros de Convivência Intergeracional (CCInter) e o apoio à população em situação de rua estão sendo reduzidas a olhos vistos. Um escândalo!”, denuncia o vereador Celso Giannazi, autor do Projeto de Decreto Legislativo (PDL)14/2019, que revoga Decreto 58.636/2019, de Bruno Covas, que ampliou os cortes na Assistência Social.

O cenário é de terra arrasada. De acordo com o Fórum da Assistência Social (FAS), pelo menos 4.800 vagas nos serviços já foram suprimidas com a demissão de 400 funcionários nas entidades conveniadas.

“Esse é o modelo de governo da gestão Doria/Covas: que desmonta, abandona, privatiza os serviços públicos. E quem perde com esse modelo de gestão privatista é a população de São Paulo”, denuncia Giannazi.

Um ano de desmonte dos serviços públicos!

Em um ano de gestão, o prefeito Bruno Covas promoveu dezenas de retrocessos contra a cidade e o povo paulistano, com cortes em serviços essenciais e o desmonte de políticas públicas fundamentais para a melhoria de vida da população paulistana. "A lista é longa e os mais penalizados são os paulistanos. Covas cortou salários; aumentou a passagem; cortou linhas de ônibus, recursos da Saúde, Assistência Social, Zeladoria e Coleta de Lixo; cortou recursos das reformas de viadutos e pontes e do combate a enchentes; reduziu o orçamento das Subprefeituras; está desmontando o SAMU; cortou o repasse para os Bombeiros; entre muitos outros ataques. O cenário é desolador e quem perdeu foi São Paulo", lamentou o vereador Celso Giannazi ao enumerar alguns retrocessos desta gestão.Assista o vídeo e veja como Bruno Covas está destruindo São Paulo!#BrunoCovas #PrefeitodeSãoPaulo #1AnoDeGestão #JoãoDoria #Saúde #Educação #Desmonte #Privatização

Posted by Celso Giannazi on Monday, April 8, 2019