P IMG_6987
P IMG_6987

Cerca de 300 pessoas, entre educandos, educadores e ativistas em defesa da EJA, participaram da primeira reunião do Conselho da EJA e do Observatório da Demanda, iniciativa inédita do vereador Celso Giannazi e do deputado Carlos Giannazi.

A atividade reuniu 21 escolas de todas as regiões de São Paulo, que denunciaram os ataques da gestão Bruno Covas que, deliberadamente, está fechando salas e violando o direito constitucional à Educação dos paulistanos. Além do fechando das salas, as escolas temem a implementação da modalidade EaD e a criação de polos para a EJA.

Giannazi condena a política de Bruno Covas e avisa que o Conselho tomará providências para barrar esse desmonte. “É absurda a postura de Covas. Quando o assunto é direitos ele corta, ataca e fere a Constituição. Fechar EJA é negar a quem sempre viu negados seus direitos. É crime contra a população e contra São Paulo”, afirmou o vereador.

Plano de lutas

O Conselho aprovou plano de lutas para o próximo período. Entre as ações aprovadas está o fortalecimento da campanha e do abaixo-assinado em defesa da EJA; a realização de encontros regionais para ocupar os territórios e ampliar a atuação do Conselho; a mobilização social para organização de ações e atos em defesa da EJA.

O Conselho também já deixou marcada a próxima reunião para o dia 2 de setembro.

Saiba mais sobre o Conselho

A valorização da Educação de Jovens e Adultos (EJA) também é uma luta permanente do nosso mandato. No Conselho de Educandos e Educadores da EJA, alunos e professores debatem os diversos problemas envolvendo a educação para jovens e adultos em São Paulo, formulando soluções e elaborando políticas públicas voltadas para a efetiva garantia deste direito.

O Observatório da Demanda é um instrumento fiscalizador da execução de políticas referentes à EJA. Além de ser uma ferramenta de acompanhamento social de não concluintes do Ensino Fundamental I e II ou Ensino Médio, o Observatório verifica se a demanda está sendo atendida, combatendo o fechamento de turmas, monitorando as condições de ensino e garantindo o direito de todos à educação.