Em um país com mais de 12,5 milhões de desempregados, grande parte da juventude abre mão de seus direitos trabalhistas para ter uma oportunidade, sem avaliar o quanto isso será prejudicial no futuro.
Em um país com mais de 12,5 milhões de desempregados, grande parte da juventude abre mão de seus direitos trabalhistas para ter uma oportunidade, sem avaliar o quanto isso será prejudicial no futuro.

De acordo com a pesquisa Juventude e Mercado de Trabalho, divulgada nesta segunda-feira (28) pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, 30% dos jovens paulistanos entre 14 e 29 anos estão desempregados. Segundo o levantamento, um dos motivos para tal dado é a falta de experiência, critério essencial na conquista de uma vaga formal. Ou seja, faltam incentivo e acesso a iniciativas que preparam o jovem para ingressar no mercado de trabalho.

Covas pode fechar 14 Centros de Desenvolvimento Social e Produtivo até janeiro

Além disso, os pesquisadores também observaram o crescimento do pessimismo da juventude em relação ao mercado de trabalho entre os jovens com maior escolaridade. Tal falta de perspectiva é mais um fruto da falta de investimentos e oportunidades, principalmente para os jovens de baixa renda, que, frente a um mercado cada vez mais competitivo, acabam caindo na informalidade com jornadas excessivas e baixa remuneração.

Nordeste sofre com as maiores taxas de desemprego do país

Em um país com mais de 12,5 milhões de desempregados, grande parte da juventude abre mão de seus direitos trabalhistas para ter uma oportunidade, sem avaliar o quanto isso será prejudicial no futuro. Por isso, para combater essa realidade, o vereador Celso Giannazi atua para que o município forneça assistência e incentive o jovem a trabalhar e estudar respeitando os seus direitos.

PL’s de prevenção ao suicídio e passe livre para cursinhos populares são aprovados

Com o intuito garantir os direitos da juventude, Giannazi promove o PL 701/2017 que cria o Programa Municipal de Prevenção ao Suicídio de Promoção do Direito ao acesso à Saúde Mental entre Jovens e Adolescentes, e o PL 508/2016 que institui o passe livre para os estudantes de cursinhos comunitários, de cursos técnicos e de cursinhos pré-vestibular nos serviços de transporte coletivo do Município. Tais medidas zelam pelo pleno acesso à educação, para que os jovens com menos condições também possam batalhar por melhores oportunidades.