Cursinho Popular de São Paulo. Imagem: Reprodução
Cursinho Popular de São Paulo. Imagem: Reprodução

No último dia 13, o prefeito Bruno Covas vetou o Projeto de Lei 508/16, de coautoria do vereador Giannazi, que garantia a gratuidade do Passe Livre para estudantes de cursinhos populares da cidade. A decisão arbitrária do prefeito prejudica mais de 15 mil estudantes de baixa renda e comprova o desrespeito da gestão Covas com a Educação de São Paulo.

“Continuaremos na luta em defesa da Educação e dos cursinhos populares. Não cederemos até que esse nefasto veto de Covas seja barrado e o Passe Livre seja instituído!”, anunciou o vereador Giannazi, idealizador do Programa Educação em Primeiro Lugar.

Veja também: PL’s de prevenção ao suicídio e passe livre para cursinhos populares são aprovados

A importância do PL do Passe Livre

Os cursinhos populares, gratuitos e com a colaboração voluntária de professores, representam para muitos jovens a única oportunidade de ingresso no ensino superior. O custo da tarifa do transporte, no entanto, corresponde a mais da metade das evasões dos alunos. O PL do Passe Livre, que foi aprovado por ampla maioria na Câmara em duas votações, atende a essa necessidade urgente da juventude pobre da cidade. 

#Covas veta #passelivre. Luta continua na #Câmara!Giannazi seguirá em luta para derrubar o veto de Bruno Covas ao…

Posted by Celso Giannazi on Wednesday, November 13, 2019

Mesmo assim, Bruno Covas teve a insolência de “justificar” seu veto com a afirmação de que o Passe Livre para estudantes de cursinhos populares contraria o interesse público e a Constituição. Além disso, Covas alegou falta de recursos para bancar os mais de R$ 100 milhões que sua gestão estipulou com o Projeto.

Porém, a Frente de Cursinhos Populares estimou que benefício custaria no máximo cerca de R$ 14 milhões aos cofres públicos, desmentindo Covas e sua administração. A Frente também realizou estudo com as mais de 150 unidades de cursinhos populares e comunitários da cidade e mapeou que o Passe Livre representaria apenas 0,33% do Orçamento da Secretaria Municipal de Transportes e somente 0,02% da receita total da cidade.

Bruno Covas deixa cada vez mais evidente para quem seu governo trabalha, e os estudantes de cursinhos populares não entram nessa lista do prefeito.

📝 CARTA ABERTA DA FRENTE DE CURSINHOS POPULARES À POPULAÇÃO DE SÃO PAULO São Paulo, 13 de novembro de 2019⚠ OBS: ao…

Posted by Frente de Cursinhos Populares on Wednesday, November 13, 2019
Confira a carta aberta da Frente de Cursinhos populares.
Com informações de Rede Brasil Atual e G1.