Mesmo com a desoneração dos empregadores e o corte de direitos trabalhistas não se mostrando eficaz para combater o desemprego Guedes mantém a premissa de que os empresários, isentos de impostos, contribuirão para o crescimento do país. Foto: Jorge William.
Mesmo com a desoneração dos empregadores e o corte de direitos trabalhistas não se mostrando eficaz para combater o desemprego Guedes mantém a premissa de que os empresários, isentos de impostos, contribuirão para o crescimento do país. Foto: Jorge William.

A ideia do ministro da Economia, Paulo Guedes, de zerar os encargos trabalhistas para, supostamente, criar empregos é mais uma ilusão do atual governo. Em entrevista à Rede Brasil Atual, a coordenadora de pesquisa do Dieese, Patrícia Pelatieri, lembra que se trata de uma concepção rejeitada por estudos e até mesmo por economistas liberais, pois não se sustenta: “Com a desoneração, é mais óbvio que ocorram ajustes internos nas empresas, aumentando a margem de lucro. Foi o que ocorreu com a desoneração feita pela ex-presidenta Dilma, que não gerou empregos”, afirma.

Vale lembrar que, após significativa trajetória de redução na sua participação relativa no desemprego global, o Brasil encerra a década de 2010 com presença relativa inédita na quantidade de trabalhadores sem ocupação no mundo. Isso porque em 2019 o país chegou ao alarmante dado de possuir o equivalente a 7,2% do total dos desempregados do planeta, segundo levantamento da Organização Internacional do Trabalho.

Mesmo com a desoneração dos empregadores e o corte de direitos trabalhistas não se mostrando eficaz para combater o desemprego Guedes mantém a premissa de que os empresários, isentos de impostos, contribuirão para o crescimento do país. Entretanto, a especialista do Dieese lembra que esta não é a lógica do capital. “As empresas utilizam essa desoneração para fazer uma recuperação da margem de lucros, como eles mesmos já falaram. Com a crise, eles reduziram essa margem, mas com a desoneração, recompõem. A lógica do capital não é uma lógica social, mas do lucro. Em primeiro lugar, sempre virá o dinheiro, independentemente da taxa de desemprego”, afirmou.

Após realizar as reformas, também com a justificativa de criar empregos, Guedes volta a trabalhar para retirar mais direitos do trabalhador. “O que define a geração de emprego são outros fatores, como a demanda do consumo. Quando você tem uma população empobrecida, ela não consome e não gira a economia. Sem essa demanda, não há a decisão do investimento em empregos. Portanto, a justificativa de Guedes não se sustenta”, acrescentou.


Feito com informações da Rede Brasil Atual.