Covas e seu secretário Municipal da Saúde, Edson Aparecido. Mais precarização nos hospitais.
Covas e seu secretário Municipal da Saúde, Edson Aparecido. Mais precarização nos hospitais.

2020 mal começou e o prefeito Bruno Covas intensifica seu ataque contra a Saúde em nossa cidade. Desde o dia 20, o prefeito cortou o Vale-Transporte (VT) e o Vale-Refeição (VR) para os profissionais da saúde que realizam plantões extras nos hospitais municipais.

Giannazi denuncia destruição dos hospitais paulistanos

Esses plantões servem principalmente para cobrir o déficit de servidores que atuam nos 11 hospitais administrados pela Autarquia Hospitalar Municipal (AHM), evitando a desassistência à população.

Segundo o Tribunal de Contas do Município (TCM), a autarquia tem déficit de 60% do seu quadro profissional, entre os quais faltam 2.225 médicos de todas as especialidades e 2.800 enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem.

“Mais uma vez, Bruno Covas age contra a população. Com certeza essa medida vai prejudicar a população. Há dez anos os plantões extras compreendem o pagamento de VT e VR, porque são dias de trabalho além da carga horária do mês. Covas transfere mais uma vez a conta para os trabalhadores ”, afirmou o vereador Celso Giannazi, membro titular da Comissão de Saúde na Câmara.

Relatório do TCM comprova descaso de Bruno Covas com a Saúde paulistana

Descaso, desmonte e privatização

Em outubro, o superintendente da autarquia, Marcos Antônio Ferlin, admitiu que o governo Covas estava estudando entregar a administração dos 11 hospitais para organizações sociais de saúde (OSS).

“As denúncias apontadas pelo TCM só comprovaram o que venho denunciando há cerca de 1 ano. Os flagrantes são inúmeros nos hospitais municipais e quem está pagando a conta por esse descaso é a população. O Hospital do Servidor Público Municipal (HSPM) também foi diligenciado pelo TCM e pelo Ministério Público (MP) e foram constatados os mesmos problemas. Uma situação desoladora e que coloca em risco a vida dos pacientes e dos servidores”, ressaltou Giannazi.

Gestão Doria/Covas condena paulistano a esperar meses por atendimento

“Iremos acionar a Secretaria de Saúde e o TCM para exigir a convocação dos concursados e sanar a questão. É um absurdo que a população sofra em intermináveis filas, sendo que temos uma enorme lista de concursados aprovados esperando pela convocação”, acrescentou o vereador. Estamos discutindo com a secretaria se vai convocar os concursados ou se vai contratualizar a gestão dessas unidades”, afirmou.

Embora Bruno Covas tenha convocado médicos aprovados no concurso homologado em fevereiro do ano passado, estes profissionais apenas substituíram outros que estavam contratados de forma emergencial. Ainda assim, dos 926 selecionados, somente 528 foram chamados.

Com informações da RBA.