Linha 15 - Prata que cobre da estação Vila Prudente à São Mateus está parada há dias.
Linha 15 - Prata que cobre da estação Vila Prudente à São Mateus está parada há dias.

A linha 15  – Prata do Monotrilho, que liga as estações Vila Prudente à São Mateus, na Zona Leste, não funciona há 12 dias e 2,5 milhões de usuários da linha estão em apuros. Todo esse transtorno é resultado do descaso e da sanha privatista de governos tucanos que maltratam São Paulo há anos.

O transporte público de São Paulo sofre desde 1990 até hoje com os governos do PSDB no estado. Sucateamento, obras atrasadas, pagamento de aditivos em contratos que oneram os cofres públicos e o escândalo de pagamentos de propina da empreiteira Camargo Corrêa em obras no metrô são problemas antigos das gestões tucanas em São Paulo. No governo Doria, também do PSDB, a situação não só mudou, com piorou.

O atual governador tem apreço por repassar serviços públicos à iniciativa privada e após anos de sucateamento, em 2019, Doria leiloou a Linha Prata para o setor privado. Em janeiro deste ano, segundo levantamento da TV Globo com informações do Metrô, a linha foi recordista de falhas no sistema de trilhos da cidade.

Uma falha no sistema de pneus do monotrilho na semana passada impediu que a Linha 15 funcionasse normalmente, porém o problema persiste após um longo período de 12 dias. Após se desfazer da linha, Doria coloca a culpa da situação atual no consórcio que opera a Linha Prata, após anos de sucateamento e escândalos que envolveram a privataria Tucana no Metrô que resultaram na justificativa para leiloar a linha.

O projeto de sucateamento do transporte público no Governo do Estado transcende até o governo municipal. O prefeito Bruno Covas (PSDB), assim como seu tutor, está acabando com o transporte público do município. Covas fez cortes no Bilhete Único, tentou acabar com as integrações e extinguiu 144 linhas de ônibus só no mês de agosto de 2019. O prefeito também anunciou que assinaria os contratos de concessão das concessionárias de ônibus com a alteração do prazo de vigência, de 20 para 15 anos, conforme determinou o Tribunal de Justiça. No entanto, com o intuito de fazer manobras no contrato, a gestão Covas não divulgou como ficaram valores, custos e metas no novo formato. 

Enquanto os governantes tucanos fazem farra com o transporte público de São Paulo, a população sofre com a falta de investimento público no transporte e, consequentemente, com a gritante precarização dos serviços. Os usuários da Linha 15 – Prata do Monotrilho não tem informações sobre a volta do funcionamento da linha.